Wilders

21, jun 2021 . 9 min read

Meus primeiros dias na Wildlife: um fit total com a cultura gamer

Meus primeiros dias na Wildlife: um fit total com a cultura gamer

by Marianne Tine

9 min read

Marianne Tine, do time de QA, conta a importância do cargo de Quality Assurance e como uma estrutura adequada é fundamental para fazer jogos de sucesso.

Como alguém com um diploma de Direito acaba se juntando ao time de Quality Assurance de uma empresa de jogos? A resposta para isso está na minha história pessoal. Eu sou a Marianne Tine – mas pode me chamar de Mare – e desde que me entendo por gente amo consoles, jogos de tabuleiro, e todo o universo de games.

Eu me formei em Direito, mas não segui a carreira. Fui até o final do curso e cheguei a advogar, mas sempre gostei de arte e por isso, na primeira oportunidade que tive, pulei fora. Nessa busca por algo que fosse a minha cara, também trabalhei como auditora de TI no setor de bancos e até como guia turística. 

Meu primeiro contato com o setor de Qualidade foi em telecomunicações, e aí tudo começou a mudar. Vi no cargo QA de jogos uma oportunidade profissional de fazer o que eu gosto.

Uma amiga minha já tinha trabalhado na Wildlife há alguns anos e ela sempre dizia: "Você vai gostar, a vida lá é jogo. Não é necessário que todo mundo AME jogos, mas tem muita gente que ama, você vai encontrar o seu lugar lá!". De fato, eu encontrei, e vou contar sobre os meus primeiros 100 dias por aqui – do processo de contratação, em plena pandemia, até os dias de hoje.

UM FRIO NA BARRIGA DIFERENTE

Eu já jogava os games da Wildlife, sou muito fã do Bike Race e foi o jogo que eu testei na minha entrevista. É super simples, mas muito divertido! Você tem uma moto e várias pistas diferentes. É preciso aprender a usar motos específicas para cada tipo de pista, acelerar ou frear nos obstáculos e eu me senti em casa fazendo esse teste, é o tipo de coisa que adoro.

Eu brinco que a minha entrevista profissional para entrar na empresa foi a mais divertida que já fiz na minha vida. Eu fiquei com uma impressão muito boa das pessoas. Senti um clima ótimo, que se confirmou no meu primeiro dia, mesmo começando a minha jornada por meio de home office. 

Todo mundo entrou nos chats de voz para me dar as boas vindas e fazer companhia, parecia que a gente já se conhecia desde sempre. 

Aqui, o jeito que as pessoas ajudam umas às outras é muito marcante. E eu, que tinha muito medo dos primeiros três meses em todos os empregos que tive, vi o tempo passar de forma suave. É surreal o apoio que eu recebi das pessoas e sigo recebendo.

São muitas pessoas no time de QA, e é difícil conhecer todo mundo e se conectar com todo mundo, mas ficamos em chats de voz, que são organizados pelos times. No dia a dia, você está conversando como se estivesse trabalhando ao lado dessas pessoas. Isso é muito legal, cria uma sintonia muito boa, que eu não imaginava que fosse possível no trabalho remoto. E, falando em trabalho, mudei muito minha maneira de vê-lo.

O TRABALHO DE QA E UM POUCO DA NOSSA MISSÃO

Eu levei uma bela surpresa quando assumi o papel de QA por aqui, porque eu achava que tinha perdido cinco anos da minha vida estudando algo que eu não gostava, mas redescobri aqui um caminho que eu, até então, tinha abandonado. 

Eis o motivo: entrei em um projeto orientado para compliance, um trabalho muito próximo do setor de Legal (Jurídico), e me apaixonei pela proposta. Eu estava fora desse mundo jurídico há muito tempo, mas em games eu me joguei de cabeça e está sendo um desafio incrível. 

Fui contratada inicialmente para testar um jogo chamado War Machines -- o time de QA é grande, são cerca de 50 QAs que se dividem por projetos dos jogos publicados -- só que no meu primeiro dia de trabalho reconheceram minha experiência com direito e auditoria e me levaram para esse projeto, que ainda estava em fase inicial. 

São algumas coisas que já é senso comum aplicar, os jogos já são feitos com essa preocupação, mas não tinha uma pessoa focada em validar os processos. Então, iniciei já no projeto. Cheguei e não testei os jogos, mas fiz os testes legais necessários. 

Um trabalho bem perto do time de Legal, escrevendo casos de teste -- o que eu faria normalmente em um jogo -- e testando updates que poderiam quebrar o que já está funcionando ou recursos novos dos updates, só que relacionados às guidelines das lojas e às legislações pertinentes dos países onde publicamos nossos jogos, como GDPR (General Data Protection Regulation - União Europeia), CVAA (21st Century Communications and Video Accessibility Act - EUA) e LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - Brasil).

Fiquei meu primeiro mês em Compliance e então voltei aos jogos, aprendi os processos de testes do War Machines e Sniper 3D (outro jogo que eu adoro). Foi muito importante para entender como Compliance se encaixaria nessa realidade e poder tornar o que era um projeto em algo pra ser aplicável na Wild e garantir mais essa camada de qualidade nos nossos jogos. Atualmente atuo 100% em Compliance e estamos expandindo esses testes pros top 5 games e estudando a necessidade disso nos nossos outros jogos. 

MAS COMO É SER QA NA WILDLIFE?

Basicamente, o trabalho do QA é estar sempre em contato com o produto/time. Desde o momento em que o ou a Product Owner define o projeto do produto, até quando as pessoas de Engenharia começam a criá-lo.

Profissionais de QA idealmente devem participar de todas as etapas, para entender o que vai ser usado para fazer esse produto e o que será preciso incluir na lista de teste. É preciso pensar em tudo que pode dar errado.

O cargo de QA no Brasil é comum, mas muitas empresas não sabem muito bem implementar isso ou como ter uma cultura de qualidade. Não adianta contratar pessoas para testar o seu produto, se ele não é planejado em receber esses testes e melhorar com isso. Passei uma parte da minha carreira trabalhando com Quality Assurance, mas sem ter o cargo de QA ou sem ter uma liderança focada no time de QA. Quando entrei na Wildlife, eu tive estrutura e gestão. A organização que eu vi aqui foi muito maior do que eu esperava.

Eu estava bem preocupada com essas questões, em razão do trabalho remoto. Fazer home office é legal, eu tenho quatro gatos, gosto de ficar com eles, mas também quero interagir com as pessoas. Eu sinto falta, é claro, mas é quase como se eu estivesse lá, só não posso sair para almoçar com meus colegas de trabalho. Quando a pandemia acabar, eu já falei com a equipe: quem não quiser abraço tem que me avisar com antecedência, porque eu vou chegar abraçando todo mundo, mesmo se for preciso tomar um banho de álcool em gel. 

Sinto que foi um fit de cultura total, o jeito que eu falo, que eu me empolgo para falar de jogos, é muito parecido com o das pessoas aqui. Eu tenho paixão mesmo, desde muito criança, por games. Tenho até um controle do "Nintendinho" tatuado, que foi meu primeiro videogame, que eu ganhei do meu tio. A minha família tem um Atari e a gente cuida dele como se fosse um tesouro. Para mim, sempre foi muito importante jogar e continua sendo. 

Com o nicho de jogos mobile, não é diferente. O meu celular tem o máximo de aplicativos que cabem nele e eu vou testando tudo e fazendo comentários sobre tudo, eu gosto disso.

UM FIT PERFEITO COM A CULTURA GAMER 

Agora, eu estou estudando de novo, fazendo faculdade de design de jogos, que já era uma vontade que eu tinha. Estou aprendendo a animar personagens e montar games e tem sido incrível, porque estou entendendo como tudo funciona. Sinto que estou apenas entrando no mundo que eu já queria viver e, quem entrar nele, também, imagino que vai se encontrar como eu. 

Em todos os lugares em que eu trabalhei, eu queria fazer alguma coisa que fizesse a diferença. E, para mim, os jogos ajudam as pessoas a evoluírem. Você pode escolher o que você quer desenvolver. É possível aprender história, matemática, química, estratégia e uma série de outras coisas. Só de estar trabalhando com algo que tem esse potencial, é ótimo.

Se eu puder ter algum espaço para deixar os jogos mais acessíveis, por exemplo, eu vou querer participar disso. Eu tenho visão 100%, audição 100%, mas já trabalhei com colegas daltônicos, cegos, surdos, e a partir da troca com essas pessoas comecei a entrar num mundo que tem muita gente que quer ter o seu espaço e as empresas tradicionais não dão. Então, o meu plano é esse, se eu conseguir ajudar as pessoas, eu já estarei muito feliz. Quero fazer algo grande, em que eu acredite de verdade.

CHEATS PARA QUEM ESTÁ CHEGANDO

Para você que está entrando para o time agora, o que eu posso dizer? Respira fundo. Vai ser um tsunami, mas vai ter muita gente surfando junto com você. 

Os primeiros meses por aqui trazem muita informação, e é normal ficar um pouco perdido, mas tem sempre uma pessoa próxima para ajudar. Trabalhar como QA ainda é um negócio meio desconhecido. Mas, aqui, vem sendo criado um ecossistema bem próprio, que funciona muito bem e deixa você engajar da melhor forma possível. Dá orgulho ser QA na Wildlife!


Share